A influência dos espaços de transição nas edificações

A implementação de espaços de transição no interior das edificações são necessárias quando a profundidade da planta constitui um obstáculo para a ventilação natural. Essas áreas que são capazes de conectar o ambiente interno com o exterior, desenvolvem um importante papel por criarem uma relação direta com a estética da edificação e a percepção de seus usuários, além claro de permitir uma lógica de circulação, ventilação e a entrada de iluminação natural nos espaços internos em sua volta.

A configuração dessas áreas de transição, sendo bem elaboradas e combinadas com o layout das outras áreas podem apresentar funcionalidades que vão além da ventilação e iluminação do edifício. Essas áreas comuns podem surgir como átrios de variadas formas e dimensões ou de pés-direitos múltiplos. A escolha da localização e a altura desses espaços determinam o padrão da ventilação por efeito chaminé e que é normalmente combinada com a ventilação cruzada.

A ventilação por efeito chaminé ocorre levando-se em consideração as diferenças de pressão oriundas do contraste das temperaturas do ar no interior de um ambiente e no exterior, no qual a massa quente eleva-se e sai por cavidades mais altas e a massa de ar fria entra por aberturas mais baixas. Essas aberturas no interior dos ambientes (janelas ou portas), quando em paredes opostas ou adjacentes permitem a ventilação cruzada e possibilita as trocas de ar quente (que sai) e ar frio (que entra) e são capazes de manter o conforto térmico.

Esses “vazios” internos oferecem uma grande flexibilidade  na criação de áreas de convivência podendo ser um espaço para leitura, um espaço para café ao ar livre, um jardim dentre várias outras possibilidades capazes de contribuir na criação de espaços inusitados e adicionar autenticidade ao projeto. Os espaços de transição contribuem no desempenho térmico e consequentemente na sustentabilidade da edificação por propiciar o alívio da carga térmica gerada pela luz do sol, pelo uso e a taxa de ocupação através da ventilação.

Fonte:

Edifício Ambiental / Joana Carlas Soares ; Gonçalves, Klaus Bode et. al.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site hospedado por WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: